Product Placement no cinema brasileiro: análise de conteúdo de dois filmes.

Autor: Aline Vasconcellos Neves.

Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao curso de Comunicação Social com habilitação em Publicidade e Propaganda, como requisito parcial para obtenção do Grau de Bacharel.

Orientador: Prof.ª. Dr.ª. Arlete Eni Granero.

RESUMO

Com as constantes mudanças comportamentais e sociais do século XXI, aliadas principalmente ao desenvolvimento de novas tecnologias cada vez mais inovadoras, encontramos como cenário: informações conturbadas, falta de atenção e interesse do público, mercado cada vez mais segmentado dificultando o acesso, tornando a comunicação cada vez mais desafiadora. A dificuldade de a comunicação atingir o público-alvo passa pelos mais diversos setores, inclusive pela indústria do entretenimento. Para adequar-se é preciso repensar os formatos, e buscar soluções criativas para atingir o público no momento de dispersão. Esse estudo tem como objetivo geral analisar como a ferramenta de comunicação de marketing, Product Placement, em filmes para cinema fortalece a marca e influencia o comportamento do consumidor. A metodologia utilizada inclui uma pesquisa bibliográfica seguida de pesquisa exploratória com o método de observação direta utilizando a técnica de análise de conteúdo. A escolha foi realizada baseada no ranking dos filmes nacionais de maior destaque entre as produções cinematográficas. Os dois filmes em análise são: “Se Eu Fosse Você” e “A Mulher Invisível”. Torna-se evidente que a contribuição da ferramenta Product Placement no posicionamento de mercado de uma marca ocorre de forma eficiente, além de apresentar-se como uma excelente oportunidade para a publicidade inserir-se na estrutura dramática dos filmes buscando atingir seu público alvo no momento de dispersão.

Palavras-chave: Product Placement; Cinema; Publicidade; Marketing; Cinema Brasileiro.

TCC – Aline Neves


Crime contra o Direito Autoral, previsto nos Artigos 7, 22, 24, 33, 101 a 110, e 184 a 186 (direitos do Autor formulados pela Lei 9.610/1998) e 299 (falsidade ideológica).