O discurso passional da grande mídia brasileira acerca dos direitos humanos: Análise semiótica do ‘Caso João Hélio’ em Veja.

Autor: Marcos da Veiga Kalil Filho.

Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Programa de Graduação em Comunicação Social ­ Habilitação Jornalismo da Universidade Federal Fluminense como parte dos requisitos para a obtenção do título de Bacharel em Comunicação Social ­ Habilitação Jornalismo.

Orientador: Prof.ª.Dr.ª. Renata Mancini.

RESUMO

A ideia de que os Direitos Humanos existem somente para a defesa de quem transgride a lei difundiu­-se na contemporaneidade brasileira com o auxílio de parcela da imprensa. Frases como “Direitos Humanos para humanos direitos” e “bandido bom é bandido morto” popularizaram­-se ao largo do entendimento técnico-­jurídico acerca da matéria. Debruçar-­se sobre esse fenômeno mostra­-se mister para a compreensão do discurso passional em torno dos Direitos Humanos, construído também pela mídia. Por meio do construto teórico da Semiótica francesa, as estratégias enunciativas que caracterizam a passionalização podem ser analisadas em seus pormenores, ensejando o entendimento abrangente da transferência de valores inerente ao fazer persuasivo da comunicação. Ao examinar o “Caso João Hélio”, em que um menino morreu, em fevereiro de 2007, após ser arrastado por um longo percurso, dependurado de um carro que fora roubado por três jovens, a partir da reportagem especial da revista​ Veja, o trabalho pôde constatar a semelhança na forjação de alteridades e na suscitação de paixões exacerbadas, apesar da axiologizaçãodistinta dos valores de Opressão e Liberdade, que fundeiam os textos relacionados aos Direitos Humanos.

Palavras-­chave:​ semiótica francesa; direitos humanos; jornalismo; Veja.

Link para o TCC:

https://drive.google.com/file/d/0B7i3cw5aD-SLMlZRRFJuOWRta1k/view?usp=sharing


Crime contra o Direito Autoral, previsto nos Artigos 7, 22, 24, 33, 101 a 110, e 184 a 186 (direitos do Autor formulados pela Lei 9.610/1998) e 299 (falsidade ideológica).